Técnicas de Vendas – Ética na propaganda

[vc_row][vc_column][vc_column_text]
[/vc_column_text][vc_tta_accordion shape=”square” active_section=”” collapsible_all=”true”][vc_tta_section title=”Transcrição do Slide – Técnicas de Vendas” tab_id=”1470830252838-9f9ca141-e1d4″][td_block_text_with_title custom_title=”Técnicas de Vendas – Ética na propaganda”]

1. “Gato por Lebre”. Essa expressão popular resume de forma inconteste o que seja a enganosidade. PROPAGANDA ENGANOSA Levar alguém a grave erro por meio de uma mensagem publicitária. A ânsia pelo lucro, pela venda incontida, pelo faturar urgente e cada vez mais, muitas vezes induz a agência, até com conivência do anunciante, a soltar aos quatro ventos mensagens ilegais, imorais e feridos da ética. Enganos, enfim. Temos por formação e informação, pelo próprio conceito de agência que, em quaisquer das recomendações do Código de Ética, ela não pode eximir-se como se de nada tivesse ciência.
2. Ora, inicialmente, o princípio da Legalidade: “A ninguém é dado ignorar a Lei”. Em segundo lugar, basta ler o art. 3º da Lei nº 4.680/65 – Da Propaganda – para ver que a agência congrega “profissionais” na arte e técnica de publicidade para atender às necessidades do cliente anunciante. PROPAGANDA ENGANOSA Pois bem: Não venha dizer que o cliente quis assim. Imaginemos que alguém leve sua mãe, seu pai, mulher ou filhos a um hospital.
3. Será que o médico irá perguntar o procedimento para a extração de um tumor maligno ao próprio paciente? PROPAGANDA ENGANOSA É absolutamente lógico que não. A mesma coisa deve acontecer com o Anunciante e a Agência , e aos publicitários. São técnicos, competindo-lhes não permitir que os princípios gerais da Ética sejam considerados desprezíveis. O cliente, quando muito, “conta-lhe a estória”, sugere como leigo, esboça sua vaidade íntima de criativo frustrado, pede para “encaixar” a filha no roteiro do filme, dentre outras “maravilhosas” sugestões.
4. Cabe ao técnico controlar a ansiedade do cliente, sugerindo e impondo até o modelo, as cores, o cenário, a trilha e tudo mais, com jeito e sem perder a conta. PROPAGANDA ENGANOSA Aí, impõe-se a capacidade, a tecnicidade.
5. A propaganda abusiva é bem mais prejudicial a todos. PROPAGANDA ABUSIVA A falta de Ética prejudica a todos. Ao anunciante, pois vê seu produto ligado ao abuso; á Agência, que, marcada, fica como incapaz, imprudente ou negligente; aos Criativos, pela total falta de inteligência, partindo para o errado, o tosco, o oposto da arte, dando-se, a si próprios, atestados de incapacidade em cores vivas, berrantes em razão de sua falta de cultura e base intelectual criativa.
6. A publicidade abusiva é aquela que, como diz o art. 37 da Lei nº 8.078, de 11-9-1996 – Proteção ao Consumidor -, assim condensa: PROPAGANDA ABUSIVA “Art. 37. É proibida toda publicidade enganosa ou abusiva. § 1º É enganosa qualquer modalidade de informação ou comunicação de caráter publicitário, inteira ou parcialmente falsa, ou, por qualquer outro modo, mesmo por omissão, capaz de induzir em erro o consumidor a respeito da natureza, características, qualidade, quantidade, propriedades, origem, preço e quaisquer outros dados sobre produtos e serviços.
7. § 2º É abusiva, dentre outras a publicidade discriminatória de qualquer natureza, a que incite à violência, explore o medo ou a superstição, se aproveite da deficiência de julgamento e experiência da criança, desrespeita valores ambientais, ou que seja capaz de induzir o consumidor a se comportar de forma prejudicial ou perigosa à sua saúde ou segurança. PROPAGANDA ABUSIVA § 3º Para os efeitos deste código, a publicidade é enganosa por omissão quando deixar de informar sobre dado essencial do produto ou serviço.”
8. A honestidade, a decência, a apresentação verdadeira não podem ser esquecidas, pois apoiar-se no medo, na superstição, no preconceito, na indecência, faz a Campanha de péssima qualidade ética. PROPAGANDA ABUSIVA É interessante ressaltar-se que a lei, em muitas situações, amparou-se em normas éticas a que a própria atividade se impôs. Caso típico da Lei de Proteção ao Consumidor com relação à publicidade enganosa e abusiva. A publicidade normatizou antes que a sociedade, via congresso, o fizesse.
9. Uma campanha que incite à violência, que explore o medo e a superstição, de modo especial que se aproveite, dolosamente, da inexperiência e falta de julgamento sensato das crianças, que desrespeite valores ambientais e sociais, induza a postura prejudicial à saúde e à segurança, é uma campanha deplorável, é abusiva, vai além da enganosidade. PROPAGANDA ABUSIVA Aquela é matreira estelionatária, esta é insidiosa, violenta, afrontosa. É crime, há dolo, há vontade de delinquir. Certa feita, uma apresentadora de televisão acercava-se de crianças, numa roda. Olhava para os pezinhos calçados com “tênis” de marcas simples, mas, pelo visual daqueles infantes, “tênis” gostosos que seus pais puderam adquirir.
10. Exibindo marca famosa e portanto cara, sugeria que fosse jogados fora aqueles que os calçavam e que adquirissem os de marca famosa. PROPAGANDA ABUSIVA É um crime, é um desrespeito ao cidadão, é uma indecência, é lançar na cabecinha de uma criança uma “necessidade” que seus pais não podem contemplar. Campanha publicitária antiética. Não é o caminho correto. Pecaram o anunciante, a agência, a apresentadora irresponsável, vaidosa.
11. O artigo 36 e seu 1º parágrafo da Lei de Proteção ao Consumidor falam da enganosidade. PROPAGANDA ABUSIVA Modalidade de propaganda falsa, em sua totalidade ou parcialmente, inclusive pela omissão de informações indispensáveis, levando, por tudo, o consumidor a erro.

[/td_block_text_with_title][/vc_tta_section][/vc_tta_accordion][ultimate_spacer height=”15″][bsf-info-box icon=”Defaults-slideshare” icon_size=”48″ icon_color=”#1e73be” title=”Estudando para concursos?” read_more=”box” link=”url:http%3A%2F%2Fnoticias.mentorconcursos.com%2Fmateriais-em-pdf%2F|||” pos=”square_box”]Clique aqui e veja slides de outras disciplinas[/bsf-info-box][/vc_column][/vc_row]
You May Also Like

Direito Constitucional – Art. 131 ao 135 da CF 88

[vc_row][vc_column][vc_column_text][/vc_column_text][vc_tta_accordion shape=”square” active_section=”” collapsible_all=”true”][vc_tta_section title=”Transcrição do Slide – Direito Constitucional ” tab_id=”1470830252838-9f9ca141-e1d4″][td_block_text_with_title custom_title=”Direito Constitucional – Art. 131 ao…

Atos de Ofício – Do valor da causa

[vc_row][vc_column][vc_column_text][/vc_column_text][vc_tta_accordion shape=”square” active_section=”” collapsible_all=”true”][vc_tta_section title=”Transcrição do Slide – Atos de Ofício” tab_id=”1470830252838-9f9ca141-e1d4″][td_block_text_with_title custom_title=”Atos de Ofício – Do valor…