Correios: Federação reafirma necessidade de repor pessoal

A necessidade de contratação de mais trabalhadores por meio de concurso público, para melhorar a qualidade dos serviços prestados pelos Correios e diminuir a sobrecarga de trabalho, tem sido reiterada em diferentes oportunidades nos últimos anos por entidades que representam os empregados da estatal. Na última segunda-feira, dia 23, o presidente da Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores dos Correios (Findect), José Aparecido Gandara, rechaçou a afirmação da empresa, que, em resposta a editorial da FOLHA DIRIGIDA, negou que haja déficit de pessoal na empresa, alegando contar com efetivo suficiente em todo o país (leia abaixo).
“A realidade é que existe, sim, déficit de pessoal. Muitas unidades perderam trabalhadores por meio do plano de demissão incentivada e ficaram deficitárias. No Paraná mesmo, existe a necessidade de contratar 300 empregados para um centro de tratamento de cartas”, disse Gandara, argumentando que a própria empresa reconheceu a necessidade de pessoal ao anunciar a realização de concurso para cerca de 2 mil vagas em diversas localidades do país. A seleção foi suspensa após orientação do Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Dest) do Ministério do Planejamento, para que a empresa não amplie o seu efetivo atual.
As oportunidades seriam para agente de Correios, nas atividades de carteiro e operador de triagem e transbordo, funções com requisito de ensino médio completo e remuneração inicial de pelo menos R$2.885,37 (carteiro) e R$2.348,87 (operador). A distribuição das vagas contemplaria os estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Amazonas, Bahia, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pernambuco, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, além do Distrito Federal. Gandara ressaltou ainda que mesmo com a realização do último concurso, em 2011, o quadro da empresa era constituído por 126 mil trabalhadores, ao passo que, atualmente, esse total é de 120 mil.
Ele lembrou ainda que há necessidade de substituir terceirizados, que são contratados temporariamente. Segundo o presidente da Findect, as contratações são constantemente refeitas em vez de se realizar concurso para admissão de trabalhadores efetivos para suprirem a demanda. Em novembro do ano passado, inclusive, a juíza Audrey Choucair Vaz, da 15ª Vara do Trabalho de Brasília, determinou que os Correios contratem concursados em número equivalente ao verificado em levantamento das demandas a ser realizado. A estatal já recorreu da decisão. De acordo com o secretário-geral da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect), José Rivaldo, a defasagem é de cerca de 15 mil trabalhadores.
Alternativas – Dias após a suspensão do concurso, a empresa informou que estuda a possibilidade de abrir a seleção apenas para a formação de cadastro de reserva, assim como fará, por exemplo, a Indústria de Material Bélico do Brasil (Imbel), outra que recebeu a orientação do Dest. Já o diretor regional da empresa no Rio de Janeiro, Márcio Vieira, afirmou à FOLHA DIRIGIDA, no último dia 10, que há previsão do concurso da empresa ser realizado em meados do ano que vem, com oferta de vagas determinada em edital.
You May Also Like