Perfil das principais bancas organizadoras de concursos públicos

O número cada vez maior de interessados nas carreiras públicas exige nível proporcional de preparo por parte dos candidatos. Isso inclui arrolamento do conteúdo programático antecipado, estudo detalhado do edital, além da busca por bons materiais preparatórios.

Porém, outro passo fundamental para sair bem em uma prova de concurso é conhecer o perfil da banca examinadora. Esse item ajuda a reduzir, pelo menos um pouco a ansiedade do concurseiro por já saber o que esperar do exame.

Curso Online Preparatório para Concursos

Abaixo, segue um resumo do perfil das principais bancas organizadoras de concursos públicos no Brasil.

Cebraspe (Cespe/Unb)

Uma das mais temidas pelos concurseiros devido ao grau de dificuldade, integra a Fundação Universidade de Brasília. No entanto, candidatos mais experientes acabam adotando o Cebraspe como sua banca favorita, justamente pelo estilo das questões “certo ou errado”, reduzindo a margem para chute.

A conhecida característica de “uma errada anula uma certa” não está presente em 100% das provas aplicadas pela banca, portanto, fique atento ao edital. Também exigem atenção as famosas “pegadinhas” com o emprego de termos que mudam totalmente o sentido da questão e a recomendação em praticar bastante antes da prova, além de ter conhecimento interdisciplinar e boa capacidade de interpretação.

Suas provas de Português costumam ser longas e exaustivas, cobrando atualidades aplicadas por meio de textos adaptados da internet e autores conhecidos. Dentre os conteúdos mais abordados, estão Economia, Política, decisões recentes e gramática (pontuação, concordância, acentuação, ortografia, funções do QUE e SE).

Em Direito, a banca tem o hábito de usar como bibliografia os autores Maria Sylvia Zanella di Pietro, José dos Santos Carvalho Filho e Celso Antônio Bandeira de Mello (Administrativo), Alexandre de Moraes e Gilmar Mendes (Constitucional). Jurisprudência é conteúdo MUITO abordado nas provas. Nas provas de Informática, é comum a presença de conceitos de Internet, Intranet, Navegador Explorer, Sistemas Linux e Windows (incluindo editores de texto e botões).

Dicas: NÃO CHUTAR! Caso não saiba a questão e a prova for do tipo “errada anula uma certa”, é preferível deixar a questão em branco. Prepare-se bastante, procurando entender o conteúdo de forma global, sem “decoreba”. Atente-se ao peso das matérias na contagem de pontos e nos critérios de desempate.

Fundação Carlos Chagas (FCC)

Costuma cobrar todos os itens do edital em questões extensas, porém, objetivas, de múltipla escolha. São comuns questões do tipo “marque a incorreta”, portanto, atenção para não se confundir na hora de responder.

Nas provas de Português aborda, preferencialmente, a gramática normativa, como regras de acentuação e ortografia vigentes, verbos e vozes verbais, regência, concordância, funções sintáticas e pronomes. No entanto, nas provas para cargos de nível superior, a banca tem exigido bastante interpretação. Autores presentes na bibliografia são Sérgio Buarque de Hollanda, Marilena Chauí, Euclides da Cunha, dentre outros.

Em Direito, a banca também costuma cobrar bastante jurisprudência e doutrina, utilizando, basicamente, os mesmos autores citados nas provas do Cespe/Unb. Em Informática, são exigidos os procedimentos e utilidades das ferramentas cobrando, em questões de textos longos, práticas do pacote Windows Office, Internet, Windows e Internet Explorer.

Dicas: por mais familiarizado que seja com Português e Informática, nunca deixe de reservar uma parte do dia para estudar a parte prática dos dois, principalmente atualizadas. E estude todo o edital, já o conteúdo todo costuma ser cobrado pela banca.

Consulplan

Assim como a FCC, dá preferência à gramática normativa e cobra todos os itens do edital. No entanto, aplica textos curtos, questões simples, objetivas, de múltipla escolha, favorecendo candidatos com facilidade em memorização.

Nas provas de Língua Portuguesa, não costuma cobrar atualidades e retira textos geralmente de jornais e poemas. É recorrente a abordagem de pontuação, uso de vocábulo, crase, acentuação e ortografia e período simples e composto.

Cobra pouco as questões de doutrina e jurisprudência em Direito, tendo como bibliografia os autores Hely Lopes, Di Pietro e Alexandre de Moraes. Nas provas de Informática, são cobrados componentes básicos do computador, como hardware e periféricos.

Dicas: exercite a capacidade de memorização, bem como o estudo das atividades básicas e cotidianas da Informática.

Instituto Quadrix

A banca é conhecida por aplicar provas longas, o que exige maior organização do tempo por parte do candidato. Sendo assim, paradas para idas ao banheiro ou descansar precisam ser muito bem planejadas para não comprometer o prazo de realização das questões. Com relação às matérias, também há especificidades em sua aplicação.

Em Língua Portuguesa, são inseridos textos atuais para interpretação, relacionadas a um número pequeno de questões. Por um lado, é bom por não comprometer a pontuação em caso de compreensão errônea, por outro, é ruim por perder mais tempo com leitura textual.

Nas provas de Informática, a banca lança mão de imagens e gráficos para cálculos de ângulos e proporções. O mesmo vale para a parte de Informática, onde programas e pacotes são ilustrados por meio de imagens, facilitando o entendimento do que está sendo cobrado pela questão. Tópicos de Atualidade são, usualmente, cobrados junto às questões de Língua Portuguesa.

Um outro aspecto do Quadrix é a mistura de conteúdos decorados e interpretação dos temas, exigindo do candidato, ao mesmo tempo, conhecimento específico e memorização.

Escola de Administração Fazendária (Esaf)

A banca é conhecida por sua confiabilidade, mostrando-se como organizadora séria, sem casos de fraudes em seus exames. Possui grau mais elevado de dificuldade, já que costuma cobrar provas mais complexas em matérias como língua portuguesa e exatas. As questões são de múltipla escolha e exige pontuação mínima nas disciplinas para classificação do candidato. Como o grau de dificuldade das provas é alto, o ideal é que o candidato se prepare bem em todas as matérias pois, há casos em que o inscrito fez boa pontuação em uma disciplina mas, foi desclassificado por nota ruim em outra.

Suas provas de Português costumam ser mais estruturalistas, cobrando temas de cunho filosófico ou sociológico. São comuns questões do tipo “assinale a alternativa que não pode ser a conclusão do texto” ou “a alternativa que continua o texto”, além da cobrança de coerência, coesão e estrutura do parágrafo.

Cobra interpretação textual, bem como aplica questões híbridas, ou seja, envolvendo mais de conteúdo em cada alternativa. Em Direito, cobra jurisprudência e doutrina, utilizando autores como Di Pietro, Bandeira de Mello e José Afonso da Silva. Nas provas de Informática, a preferência é pela cobrança de Linux, Hadware, Redes, Internet e Segurança da Informação.

Dicas: saiba gerenciar seu tempo, já que as provas são mais elaboradas e complexas. Faça provas de concursos anteriores para direcionar seus estudos quanto aos temas mais frequentemente cobrados.

Cesgranrio

É comparada à FCC e costuma distribuir as questões por todos os itens do edital, exigindo o estudo completo do mesmo por parte dos candidatos. Tem enunciados mais extensos nas questões de múltipla escolha com cinco alternativas.

As provas de Português exigem interpretação de charges e artigos de jornais, principalmente naquelas que abordam temas da atualidade. Trafega entre linguística textual e gramática normativa, como regência, pontuação, funções sintáticas, concordância e acentuação.

Utiliza-se de gráficos e imagens em Matemática e Raciocínio Lógico, exigindo capacidade de visualização e interpretação. Cobra, de forma variada, questões de doutrina e jurisprudência. Em provas de Informática, tem grau fácil de dificuldade, cobrando elementos do pacote Office, conceitos de Internet e Segurança da Informação.

Dicas: como a banca não costuma cobrar questões longas, o ideal é praticar com o uso de provas anteriores.

Fundação Universa

A banca é ligada à Universidade Católica de Brasília (UCB) e costuma aplicar questões de múltipla escolha com enunciados longos. Pode variar a exigência de memorização com interpretação.

As provas de Língua Portuguesa apresentam textos extensos recheados de temas humanísticos. Cobra reescritura de textos e conectivos. Aborda doutri e jurisprudência nas provas de Direito, usando os autores Di Pietro, Lenza e Alexandre de Moraes como bibliografia. Em Informática, é interessante que o candidato se aprofunde em navegadores, gerenciadores de e-mail, software livre, painel de controle do Windows, Excel e Segurança da Informação.

Iades

Nas provas de Língua Portuguesa, enfatiza gramática normativa e à linguística textual, aplicando textos longos, acentuação, ortografia, colocação pronominal, semântica das preposições, correção gramatical, período simples e composto.

A cobrança de doutrina e jurisprudência em Direito Administrativo e Constitucional é variada e tem os autores Hely Lopes, Maria Sylvia, e Pontes de Miranda na bibliografia básica. O grau de dificuldade das provas de Informática costuma ser baixo, abordando o básico do pacote Office e Internet.

Fundação Getúlio Vargas (FGV)

As provas da FGV não costumam ter um padrão específico e seu grau de dificuldade pode variar de acordo com o nível de escolaridade do cargo ou órgão. Portanto, podem exigir memorização, interpretação, ser difíceis ou de grau fácil.

As provas de Língua Portuguesa aplica textos longos, envolvendo tanto questões de interpretação de texto quanto de gramática. Os textos são, em sua maioria, dissertativos, pedindo que o candidato identifique os recursos argumentativos utilizados (estatísticas, remissões, etc). São frequentes, também, reescritura de frases (portanto, prepare-se quanto a conjunções, pontuação e semântica), referenciação textual (diferença entre catáfora e anáfora, por exemplo), além de adjuntos adnominais e completo nominal.

As provas de Direito abordam questões multidisciplinares, textos das leis e casos práticos, misturando questões complexas e fáceis. Mas, apesar de haver bastante conteúdo de leis, é importante não deixar doutrina de fora dos estudos. parte de direito tem cobrado casos práticos e, questões multidisciplinares envolvendo também textos das leis.

Dicas: não deixar de estudar nenhum item do edital, prestando atenção à bibliografia exigida. Pratique com o máximo de exercícios possível. Atente-se ao dia a dia do cargo pretendido pois, questões relacionadas ao cotidiano costumam ser cobradas. Estude as provas anteriores da própria FGV – a banca pode repetir questões.

Fundação para o Vestibular da Universidade Estadual Paulista (Vunesp)

As questões da Vunesp são consideradas fáceis, porém, bem elaboradas, ou seja, nada de estudos superficiais. Em Língua Portuguesa, costuma cobrar regras e aplicações gramaticais, além de interpretação de textos tirados de jornais e revistas. Em Direito, cobra conhecimentos literais de legislação, abordando menos jurisprudência e doutrinas.

Dicas: resolva provas anteriores.

Associação em Organização de Concursos Públicos (AOCP)

Tem estilo parecido ao da Fundação Carlos Chagas (FCC) e o ideal é que o candidato conheça seu estilo por meio das provas anteriores.

Fundação de Apoio à Pesquisa, Ensino e Assistência (Funrio)

Tem questões longas, exigindo boa memória, já que cobra conteúdos decorativos.

Fonte: Edital Concursos Brasil

You May Also Like